Busca no Site:
Notícias
 
10.02.2014 - JOTA DANGELO ESCREVE
 
Gazeta de São João Del Rei
Por Jota Dangelo em 08/02/2014
Na semana passada desisti de saber do Brasil. Decidimos, minha mulher e eu, comparecer à Festa de Iemanjá, no Bairro Rio Vermelho em Salvador, na Bahia. Tivemos sorte: na busca por hospedagem localizamos um hotelzinho barato, justamente na Avenida Rio Vermelho, de frente para o mar, 120 metros distante da igrejinha de onde parte o barco de oferendas. Na fachada do hotel há uma espécie de varanda, ampla, de onde era possível ver o movimento na avenida.
 
A festa começou com um foguetório que se instalou a cada hora a partir da meia-noite de sábado, dia 1º de fevereiro, já que dia 2 é consagrado a Iemanjá. Não foi possível dormir direito. Na manhã seguinte o movimento na
 
Avenida Rio Vermelho já era considerável. Uma fila quilométrica de pessoas portando braçadas e cestas de flores, além de miniaturas de barcos enfeitados estendia-se a perder de vista: eram as oferendas que deveriam ser depositadas no barco da procissão que só partiria às 16h.
 
Uma festa eminentemente popular. De 15 a 20 mil pessoas reunidas à beira-mar num footing permanente; centenas de barracas, particularmente de bebidas, mas também de comidas típicas da culinária baiana, como o acarajé. E mais espantoso: o preço das bebidas convidava ao consumo: três latinhas de 269ml por R$5!
 
Volta e meia surgia um grupo de batucada, às vezes uniformizado, outras não, e o samba comia rasgado, embora nos diversos equipamentos sonoros instalados no percurso onde se movimentava a massa humana a música que enchia o espaço era o Axé, a Timbalada. Pelo meio-dia, a multidão que ali se aglomerava era assustadora e só começou a diminuir depois de 22h. Fundamental: nenhuma briga, nenhum ato de violência. A polícia, sempre presente, em pequenos grupos, andando entre os participantes, mas sem ter qualquer trabalho. Uma festa brasileira, sacra e profana, misturando a devoção a Iemanjá e a alegria da dança e da música popular brasileira.
 
No baú da memória, naquele domingo em Salvador, no Rio Vermelho, busquei recordações do carnaval são-joanense: em 1975, o Bloco Magnatas do Samba desfilou com um samba de minha autoria que falava justamente da Festa de Iemanjá. Decorreram 39 anos antes que eu pudesse apreciar, in loco, a festa mais famosa da Bahia…O samba que fiz para o Magnatas do Samba não se perdeu: pelo menos o Dermeval (o Dedé do Raio) e eu guardamos a melodia, e numa destas segundas-feiras de janeiro, ali no Bar do Carlitos, fizemos um dueto:
 
No dia 2 de fevereiro lanço o saveiro no mar
Senhora dos Navegantes vou levar no meu veleiro
minha sorte vai mudar
Vou ter peixe o ano inteiro se a santa me ajudar
Acendo vela no terreiro pra minha promessa pagar
Maré mansa, maré cheia, tudo é bom pra marujar
Meu amor é um segredo, guardo nas conchas do mar
Lê-lê, onda do mar, vai quebrar onda do mar
Lê-lê-lê onda do mar, vai quebrar onda do mar
E quando a tarde escurece é que o arrastão vai começar
Quando sol desaparece é que eu começo a trabalhar
Ouço ao longe uma prece na capela do lugar
É a mulher do jangadeiro
Que reza pra ele voltar!
 


Clique para imprimir! Voltar a página inicial! Voltar a página anterior!
 
 
 
 












ATLHETIC CLUB

Fotos dos eventos com cobertura jornalistica de O Raio

Venha se Hospedar na Morada do Sol

Unimed São João Del Rei

Paulo Rivetti

TURMA DO BUNEKO

www.canilmolossosdecamargos.com.br

Camara Municipal de São João Del Rei

FORMULA PARA CÁLCULOS DE JUROS

ACESSE OS RESULTADOS DAS LOTERIAS

Stefan Salej

NUCAVE - Núcleo Campos das Vertentes

AGENCIA BRASIL

 

 

 
  A Empresa | Eventos | Guia de Negócios | Legislação | Destaques | Contato | Mapa do Site
Todos os Direitos Reservados © 2018 DACAF - NOTICIAS E EVENTOS
Jornalista Responsável: Dermeval Antônio do Carmo Filho - MTE 17933MG
 
 
Página inicial Dacaf! Revista O Raio!