Busca no Site:
Notícias
 
06.03.2014 - FOLIA NO CÉU, SAUDADE NA TERRA.
 
 
Folia no céu, saudade na terra. Em São João del-Rei (MG), o tradicional clima de festa e alegria deste fim de feriado carnavalesco perdeu fôlego nas ruas históricas da cidade com a notícia da morte de monsenhor Sebastião Raimundo de Paiva, 86 anos.
 
Na manhã dessa terça-feira, 4, centenas de amigos, familiares e admiradores do experiente sacerdote fizeram suas orações e homenagens durante a celebração de corpo presente presidida pelo bispo, dom Célio Goulart, na Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar. 
Foto:Jonal das Lages
 
Durante a celebração dessa terça-feira, dom Célio Goulart abriu espaço para depoimentos de dois amigos bispos de monsenhor Paiva, como dom Francisco Barroso (bispo emérito de Oliveira/MG) e dom Edney Gouvêa Mattoso (bispo de Nova Friburgo/RJ). As mensagens enviadas por dom Waldemar Chaves Araújo (bispo emérito de São João del-Rei) e por dom Gil Antônio Moreira (arcebispo de Juiz de Fora/MG), sendo esta lida pelo vigário geral da Diocese de São João del-Rei, padre Dirceu Medeiros, também foram destacadas. O prefeito de São João, Helvécio Reis, foi outra personalidade que marcou presença e deixou suas palavras em homenagem ao monsenhor Paiva, representando assim as autoridades presentes e o povo são-joanense.
 
Em sua participação, dom Célio comparou a passagem bíblica das bem aventuranças à personalidade de monsenhor Paiva. “Nós vemos aí as bem aventuranças concretizadas na pessoa do monsenhor. Bem-aventurado o puro de coração, porque verá a Deus. Ele era um homem de coração manso, um exemplo de fé a ser seguido por nós bispos, padres, seminaristas e leigos da Igreja”, sugeriu. As palavras do bispo representaram também o sentimento e o carinho das dezenas de padres diocesanos que compareceram na missa de despedida ao monsenhor Paiva. O religioso são-joanense foi vítima de um infarto, seguido de parada cardíaca, na manhã da última segunda-feira, 3, após três dias internado no Hospital Nossa Senhora das Mercês.
 
Desde a notícia de sua morte até o sepultamento de hoje, monsenhor Paiva recebeu homenagens até dos foliões da cidade. “Ontem mesmo durante o velório, ali na praça, diversos blocos carnavalescos fizeram homenagens tão bonitas ao Monsenhor Paiva e momentos de silêncio ao passarem em frente à Catedral”, revelou padre Geraldo Magela, amigo e companheiro de monsenhor Paiva no cotidiano da Paróquia Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar. Decreto oficial de luto por três dias, emitido pela prefeitura local, dezenas de coroas de flores, reza de terços, aplausos, repique de sinos, além de cantos orquestrados pela união das tradicionais Lira Sanjoanense e Ribeiro Bastos, foram outras formas encontradas e manifestadas pelo povo são-joanense na despedida ao religioso.
 
Com seu jeito humilde e autêntico de viver, monsenhor Paiva ficará para sempre marcado na história da primeira e única paróquia onde trabalhou, celebrou e evangelizou durante todos os seus 60 anos de sacerdócio. O corpo de Paiva foi sepultado em um ambiente reservado apenas aos bispos falecidos da Diocese de São João del-Rei, no interior da Catedral Basílica do Pilar, atrás da Capela do Santíssimo. A exceção, autorizada por dom Célio, nada mais foi do que um gesto concreto de reconhecimento pelos grandes trabalhos espirituais, pastorais e sociais prestados por Paiva a toda à Paróquia e Diocese. A missa de sétimo dia pelo falecimento do religioso será celebrada no próximo domingo, 9, às 19h, na Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar.
 
Depoimentos
 
. João de Deus Paiva – Irmão
“Deus está recebendo ele de braços abertos. É festa lá no céu e tristeza aqui pra nós. Ele era muito querido por todo mundo em São João del-Rei. Pra mim e para toda nossa família ele é um santo” (comoção)
 
Sra. Margarida Paiva – Irmã caçula
“Fico muito alegre de ver como o povo gosta dele. Ele era tudo, pai, irmão, tudo ...” (lágrimas)
 
Padre Geraldo Magela – Paróquia Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar - SJDR
 “Muitas vezes o encontrei de madrugada rezando, rezando, uma mostra de sua grande fidelidade e amor a Deus, à Igreja e ao ser humano. Ele foi um homem muito firme na liturgia e avançado no social. Eu sou muito grato por todos esses nove anos de convívio ao lado deste homem de Deus e por ter atendido sua última confissão antes da descida para a CTI do hospital. Agradeço de coração a todos aqueles que estiveram tão perto dele aqui na paróquia. Muito obrigado Monsenhor Paiva, muito obrigado Senhor Deus por ter nos dado este grande sacerdote”.
 
Padre Ramiro Gregório – Paróquia Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar - SJDR
“Convivi com ele durante 14 anos aqui na Catedral. Guardo na memória sua inteligência, suas atitudes acolhedoras, seu jeito conciliador. Se hoje muitos admiram aqui nossa liturgia da Semana Santa, eu penso, que é devido a ele, que não acabou com nada, mesmo após o Concílio Vaticano, ele soube conciliar, adaptar, sem reboliço, com sabedoria”.
 
Monsenhor Juvenal Vaz Guimarães – Paróquia São José Operário - SJDR
“Convivemos muitos anos no Seminário em Mariana. Ele deixa para todos nós padres, que continuamos nessa missão, o seu testemunho de fé em Deus, a esperança da recompensa lá no céu. Ele nos deixa o exemplo de fé e amor à Igreja e ao sacerdócio. Deus o abençoe”.
 
Padre Ademir Longatti – Paróquia Santo Antônio - Tiradentes
“Sempre o busquei nos momentos difíceis na minha vida de padre. Suas orientações sempre eram muito equilibradas, um grande amigo, homem de Deus. Ele deixa pra nós um grande exemplo de padre. Que Deus o tenha na Sua glória”.
 
Padre Clécio Alencar – Paróquias de São Miguel Arcanjo (Cajuru) e São Francisco de Assis (Emboabas)
“Para nós jovens padres, ele era um exemplo de persistência, de santidade. Aprendi muito com sua serenidade e jeito acolhedor em lidar com todos nós. Certa vez ele disse, seja um padre acolhedor ao povo, ame a liturgia, a Igreja e todo o povo de Deus”.
 
Sra. Laura Leite Andrade – São João del-Rei
“Éramos como se fosse da mesma família. Ele era um homem de muita paz, conciliador. Ele não questionava, tinha pulso e muita força de Deus para resolver todos os problemas”.
 
Sra. Maria Lúcia Maciel – São João del-Rei
“Nos momentos difíceis ele me ajudou muito, me dava muitos conselhos. Sempre voltei pra casa com o coração aberto, tranquila, aliviada. Pra mim, ele é um santo, tenho muita fé nele. Vou rezar muito por ele”.
 
Sr. Abgar Antônio Campos Tirado – Comentarista da Semana Santa na Catedral do Pilar
“Era um modelo de sacerdote, de fidelidade a Deus, à Igreja, ao mesmo tempo em que era uma pessoa de grande empreendimento em todos os setores, nas obras sociais. Sua dedicação, humildade e sinceridade na amizade com todos era admirável”.  
 
Reportagem  Alisson Reis (Dedicom)
 
 


Clique para imprimir! Voltar a página inicial! Voltar a página anterior!
 
 
 
 












NUCAVE - Núcleo Campos das Vertentes

ATLHETIC CLUB

Stefan Salej

Camara Municipal de São João Del Rei

FORMULA PARA CÁLCULOS DE JUROS

Venha se Hospedar na Morada do Sol

www.canilmolossosdecamargos.com.br

Paulo Rivetti

AGENCIA BRASIL

TURMA DO BUNEKO

Fotos dos eventos com cobertura jornalistica de O Raio

Unimed São João Del Rei

ACESSE OS RESULTADOS DAS LOTERIAS

 

 

 
  A Empresa | Eventos | Guia de Negócios | Legislação | Destaques | Contato | Mapa do Site
Todos os Direitos Reservados © 2018 DACAF - NOTICIAS E EVENTOS
Jornalista Responsável: Dermeval Antônio do Carmo Filho - MTE 17933MG
 
 
Página inicial Dacaf! Revista O Raio!