Busca no Site:
Notícias
 
19.04.2014 - PROCISSÃO DO ENTERRO EM SÃO JOÃO DEL REI
 
Espírito barroco sobrevive na Procissão do Enterro e a perpetua . Texto:  Edson Paz
 
Início da noite de sexta-feira, 18 de abril, lua cheia. Antigos guardas romanos de sandália e capacete, lança e escudo em punho, capitaneados por centurião de porte alto e forte, postura severa e barba, partem das proximidades da Matriz do Pilar rumo ao Largo das Mercês. Atravessam a multidão e galgam as escadarias do templo de Nossa Senhora das Mercês, acercando-se de Abraão, Jacó, São Pedro, Salomé, João Batista, Maria Madalena, José de Arimatéia, Nicodemos, Verônica, “virgens” de túnica branca e coroa de flores, “anjos”.
Têm seus olhares voltados, bem como os
da multidão que toma o Largo, para a expressão – iluminada por holofotes – de dor e espanto, mãos espalmadas e sete espadas de prata fincadas no peito de Nossa Senhora das Dores, e os corpos ensangüentados e rostos de torturados dos crucificados Dimas, Gestas e Cristo. Sob cores, luz e sombra, irrompem 60 vozes em canto: “Spiritus cordi nostri Christus / Dóminus morte turpessima / condemnatus”, e sobrevém o Sermão do Descendimento.
 
Hora e meia depois, eis o momento mais esperado da Semana Santa. O corpo de Cristo é lentamente despregado, descido e colocado no esquife por José de Arimatéia e Nicodemos, representados por dois sacerdotes. As palavras do pregador, em meio ao silêncio da multidão, mencionam cada etapa do descendimento, com uma narração teatral. Três mulheres de longos vestidos pretos, luvas e véus cobrindo o rosto – as “Três Marias” – cantam: “Heu! Domine, Salvator noster!” (Ai! Senhor, nosso Salvador!). Verônica ergue o sudário com a efígie do rosto de Cristo, entoando tristemente em latim: “Órfãos, fomos privados de nosso pai, e nossas mães são como viúvas”. A banda inicia a Marcha da Paixão, e a morte, razão da procissão, sai a andar lentamente pelas ruas apinhadas de gente, ao som rouco e áspero das matracas e o cheiro místico de incenso.
 
Os soldados romanos batem suas lanças de tempo em tempo no chão, representando o poder da época. Meninos “coroinhas” de terno e gravata borboleta levam objetos simbólicos da tortura sofrida por Cristo. Salomé carrega a cabeça de João Batista, mulheres de luto cantam chorosamente atrás do esquife. Trajes de gala e vara de prata próximo ao Pálio do Bispo, lanterna de prata ou opas de diferentes cores expõem e confirmam a estrutura das relações e posições sociais dos participantes.
 
Ao longo das calçadas, profundo respeito. O cortejo estaciona em frente às igrejas do Rosário (construída em 1719), São Francisco (1749), Carmo (1734), Pilar (1751) e próximo à antiga Casa de Câmara e Cadeia, momentos em que a Verônica, exibindo o sudário, canta. Conduzido em um esquife levado como um andor pelos irmãos da Irmandade do Santíssimo, o corpo de Cristo aproxima-se da Matriz, quando somente alguns membros de Irmandades, clero e o coro entram na igreja.
 
Mais do que devoção religiosa
 
O que revela esse portentoso espetáculo dramático, reproduzido há mais de dois séculos no Largo das Mercês, situado ao pé das primeiras minas de ouro são-joanenses? Qual seu sentido? A socióloga Suely Aparecida Campos Franco, com mestrado sobre a Procissão do Enterro em São João del-Rei e técnica-pesquisadora no Departamento de Ciências Sociais e Políticas da UFSJ, diz que é muito mais do que uma devoção religiosa. “É uma representação coletiva da morte que guarda traços culturais do tempo do ouro, onde imperava o gosto pela festa, pompa e pelo espetacular. Neste ritual vindo de Portugal, que ganhou feição local na época da mineração, está também representada a estrutura social e política colonial, e valores sociais que reforçam e reproduzem a ordem social”.
 
Citando historiadores, Suely diz que “a religiosidade mineira dos anos 1700 se expressava pelo culto aos santos e pelos atos externos, como procissões e ritualismos [apego excessivo a cerimônias, sem suficiente atenção ao significado que veiculam]. O catolicismo herdado dos colonizadores portugueses era menos uma convicção do que uma conveniência, era ‘menos atento ao sentido íntimo das cerimônias do que ao colorido e a pompa exterior’, uma espécie de ‘religiosidade epidérmica’. Através da exibição de requinte e do fausto, tão ao gosto da época e oportuno diante da opulência da capitania das Minas Gerais, o ritualismo festivo exercia um poder mágico sobre a população e servia ‘como instrumento encantatório persuasivo’. Constituía-se num ‘misto ostentoso de ritual católico, comprazimento intelectual e divertimento coletivo’”.
 
Com quatro igrejas de vulto construídas somente no seu primeiro cinqüentenário, “a absorção do catolicismo – religião das classes dirigentes e do Estado – levou toda a população são-joanense a ter nas cerimônias do culto sua ocupação predileta”, diz Suely. “As festas religiosas passaram a representar o foco cultural da sociedade, tanto que as irmandades contavam com músicos que executavam missas, novenas, matinas, motetos e outras peças compostas especialmente para as festas religiosas. Todas as músicas executadas na Semana Santa são-joanense são de compositores locais da época, e executadas por uma das duas orquestras bicentenárias – Ribeiro Bastos – criada em 1755 para os serviços musicais".
 
Além de foco cultural, Suely aponta que as festas “também passaram a ser um instrumento transformador de valores individuais em sociais, e as irmandades, sempre cumprindo a função de mantenedoras ativas das promoções das festas e rituais religiosos, expressam uma religiosidade popular, reforçam a hegemonia social da igreja católica, o poder político de seus organizadores e a explosão do espírito lúdico oriundo da sociedade mineradora”.
 
 Lanternas e fantasias, extremidades opostas da pirâmide social
 
Por que políticos, autoridades, pessoas de destaque no meio social são-joanense ostentam lanternas? Suely sorri. “A atuação dos sujeitos, a relação entre eles dentro da Procissão demonstra a estrutura das relações sociais. Aqueles que promovem a festa, que a organizam, assumem posições de controle ou de destaque, semelhantes à que ocupam na hierarquia social. Assim, os membros da mesa administrativa da Irmandade do Santíssimo posicionam-se com trajes de gala e levam varas de prata, próximos ao pálio [sobrecéu portátil, com varas] do bispo, lugar de maior destaque na procissão, porque ali localiza-se a máxima autoridade da igreja na cidade. Às Ordens Terceiras, pela importância na hierarquia das associações religiosas, por serem formadas no período colonial e até cerca de 1930 por pessoas ricas ou de destaque social, são concedidas uma lanterna de prata ricamente trabalhada e bastante diferenciada das outras. As posições de destaque são ocupadas pelas autoridades”.
 
Suely sublinha o fato de que “ainda hoje as procissões significam local de afirmação social e demonstração de ‘status’ para a população, e as posições no ritual religioso podem servir para legitimar instituições, status e relações de autoridades. A distribuição das lanternas define e mantém a hierarquia e a posição social. Grande parte da vida social de São João del-Rei gira em torno das festas da igreja católica, que criam uma zona de convivência, cujo sentido ultrapassa as normas religiosas”. Suely, ao realizar a pesquisa para a dissertação, em 1995, diz que notou “a explícita diferença entre aqueles que carregam lanternas ao longo dos andores e aqueles que vestem as fantasias dos personagens do antigo e do novo testamento. Ocupam as extremidades da pirâmide social”.
 
Identidade cultural
 
Suely sublinha que “o espaço de destaque e a riqueza e o aparato da Procissão do Enterro ainda nos dias de hoje retratam a aceitação e manutenção pela sociedade são-joanense contemporânea de costumes culturais trazidos pelo colonizador português. O significado da manutenção das festividades religiosas na forma como foram concebidas há dois séculos, refletindo o modelo baseado no período colonial, é bem maior que o simples ‘apego a tradição’ e ‘orgulho em conservar as relíquias do passado’, como garantem os moradores de São João del-Rei e membros das irmandades. A eficácia e os significados que justificam as realizações da festa atribuem a esta sociedade sua identidade cultural e estão simbolizados no rito, isto é, nas regras e cerimônias da Procissão”.


Clique para imprimir! Voltar a página inicial! Voltar a página anterior!
 
 
 
 












NUCAVE - Núcleo Campos das Vertentes

Unimed São João Del Rei

Camara Municipal de São João Del Rei

www.canilmolossosdecamargos.com.br

AGENCIA BRASIL

ATLHETIC CLUB

Stefan Salej

ACESSE OS RESULTADOS DAS LOTERIAS

Paulo Rivetti

FORMULA PARA CÁLCULOS DE JUROS

Venha se Hospedar na Morada do Sol

Fotos dos eventos com cobertura jornalistica de O Raio

TURMA DO BUNEKO

 

 

 
  A Empresa | Eventos | Guia de Negócios | Legislação | Destaques | Contato | Mapa do Site
Todos os Direitos Reservados © 2018 DACAF - NOTICIAS E EVENTOS
Jornalista Responsável: Dermeval Antônio do Carmo Filho - MTE 17933MG
 
 
Página inicial Dacaf! Revista O Raio!