Busca no Site:
Notícias
 
13.08.2014 - UM NOVO ELEITOR
 

Olavo Machado Júnior

Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais - Fiemg.

Quanto mais se aproximam as eleições de outubro, mais cresce a expectativa dos eleitores em relação ao discurso dos candidatos. Pela primeira vez em muito tempo, a sensação é a de que a atuação da classe política nos últimos anos acabou por criar um eleitor com um novo perfil - certamente mais exigente e menos paciente com os continuados equívocos cometidos no Executivo e no Legislativo sob o guarda-chuva do corporativismo, do fisiologismo e da demagogia.

Este eleitor que emerge neste começo de século 21 sabe muito bem a força que o seu voto tem para assegurar transformações inadiáveis para a construção de um país forte em sua economia e justo na distribuição dos frutos do crescimento. É, portanto, um eleitor mais alinhado com as manifestações populares iniciadas em junho do ano passado - as manifestações legítimas e pacificas, não a baderna e a violência. É fundamental, assim, que os candidatos estejam atentos.

O que este novo eleitor exige dos candidatos é que olhem para o futuro e apresentem propostas, que permitam vislumbrar um futuro de estabilidade e de tranquilidade para trabalhar, produzir e gerar empregos de qualidade. O passado passou - os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva não são candidatos em outubro próximo. No exercício de seus mandatos realizaram obras importantes nos campos econômico e social. Merecem o respeito dos brasileiros, mas agora a conversa é com os candidatos que, no voto, disputam a Presidência da República em outubro. É com eles que o eleitor quer conversar nos dois meses que nos separam das urnas.

No noticiário jornalístico do dia a dia e especialmente no horário eleitoral que está prestes a iniciar, o eleitor buscará identificar as melhores propostas para recolocar o país no rumo do crescimento econômico em taxas compatíveis com a posição do Brasil no contexto mundial. Esse crescimento, que hoje não existe, é fundamental na geração de recursos necessários para financiar políticas sociais destinadas a atender os segmentos mais carentes da população.

No objetivo de participar e oferecer sua contribuição, a Confederação Nacional da Indústria, presidida pelo conterrâneo Robson Braga de Andrade, acaba de realizar o "Diálogo da Indústria com candidatos à Presidência da República", durante o qual entregou a cada um deles um conjunto de 42 sugestões em setores estratégicos para resgatar e ampliar a competitividade do setor no mercado interno, vítima da crescente invasão de produtos importados, e também nos grandes mercados mundiais.

As 42 sugestões eleitas como prioritárias pela indústria nacional foram definidas a partir do Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 e estão divididas em dez fatores-chave: educação; ambiente macroeconômico; eficiência do estado; segurança jurídica e burocracia; desenvolvimento de mercados; relações de trabalho; financiamento;infraestrutura; tributação; inovação e produtividade.

Alguns números que listo a seguir, como exemplo, explicam a crescente corrosão da competitividade da economia nacional, especialmente no setor industrial: os impostos cobrados no Brasil, os maiores do mundo, oneram em 10,6% o valor dos investimentos realizados no país; o custo com mão de obra elevou-se em 58% desde 1996, sem a necessária correspondência do aumento da produtividade; o Brasil gasta, com a Previdência Social, o mesmo percentual do Produto Interno Bruto (PIB) que os Estados Unidos, país onde a população idosa é 2,5 vezes superior à brasileira. São, todos, fatores, que reduzem a competitividade da economia brasileira frente aos concorrentes internacionais.

A baixa competitividade da economia brasileira é consequência, igualmente, de reformas estruturais postergadas ao longo de décadas e que - espera-se - o presidente eleito em outubro próximo venha a realizar: a reforma política; a reforma tributária; com a redução dos impostos e simplificação do sistema tributário nacional; e a reforma das relações trabalhistas. Do presidente eleito, também se esperam ações efetivas no campo da infraestrutura - estradas, ferrovias, portos e aeroportos -, bem como ações destinadas a corrigir desigualdades regionais; medidas de redução da burocracia e ações efetivas no campo da educação de forma a sustentar o processo de inovação e desenvolvimento de tecnologia.

Temos no Brasil de hoje, felizmente, este novo eleitor que tem consciência da importância do seu voto para acelerar as transformações que a sociedade brasileira exige de suas lideranças políticas e de seus governantes. Isso, em essência, é o que os candidatos às eleições de outubro próximo precisam entender, em todas as instâncias: assembléias legislativas, Câmara dos Deputados, Senado Federal, governos estaduais e Presidência da República.



Clique para imprimir! Voltar a página inicial! Voltar a página anterior!
 
 
 
 












NUCAVE - Núcleo Campos das Vertentes

Unimed São João Del Rei

FORMULA PARA CÁLCULOS DE JUROS

TURMA DO BUNEKO

Camara Municipal de São João Del Rei

AGENCIA BRASIL

www.canilmolossosdecamargos.com.br

Fotos dos eventos com cobertura jornalistica de O Raio

Venha se Hospedar na Morada do Sol

ATLHETIC CLUB

Stefan Salej

Paulo Rivetti

ACESSE OS RESULTADOS DAS LOTERIAS

 

 

 
  A Empresa | Eventos | Guia de Negócios | Legislação | Destaques | Contato | Mapa do Site
Todos os Direitos Reservados © 2018 DACAF - NOTICIAS E EVENTOS
Jornalista Responsável: Dermeval Antônio do Carmo Filho - MTE 17933MG
 
 
Página inicial Dacaf! Revista O Raio!